segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Café Literário: Em África Se Fala Português

Olá, galerinha do meu coração!
Estamos em nosso segundo post, dessa vez falando sobre o maravilhoso Café Literário que eu tive a honra de ajudar a organizar no Colégio Estadual Julião Nogueira.
O Café com o tema "Em África Se Fala Português" é a culminância do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência, mais conhecido como Projeto PIBID. Sou bolsista há apenas 3 meses, então eu e a Jeni (do blog Doce Sabor dos Livros) chegamos perto dessa culminância. Demos algumas aulas para nossos alunos do 1º ano, sempre abordando os autores africanos e o racismo, e preparamos, junto às nossas companheiras Cinthia, Mariana e Letícia, nossa supervisora Ana Clara Soares e nosso coordenador Adriano Moura algumas coisinhas especiais para o nosso Café, que rechearam a programação: música, dança, vídeo, desfile de roupas típicas, exposição de máscaras, leitura de contos, degustação de comidas típicas... Só coisa boa!
O tema do Café teve como objetivo mostrar os países lusófonos africanos, ou seja, os países da África que falam a língua portuguesa. São eles: Moçambique, Angola, Guiné Bissau, Guiné Equatoriana, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe. Além de mostrar esses países, conhecemos muitas das coisas que herdamos da África, como as comidas e até algumas palavras que ninguém imagina! Mostramos que a África é um continente rico culturalmente. Ao contrário do que se pensa, não é só fome e miséria. A África é muito mais do que você supõe, meu caro!

Bom, essa postagem foi mais para passar a ideia geral dessa manhã maravilhosa que vivemos na manhã da sexta-feira passada, dia 11 de novembro de 2016. Uma manhã que vai ficar na memória!
Ah, quero aproveitar para agradecer à Maria do blog Pétalas de Liberdade pela maravilhosa postagem de Primeiras Impressões de A Guerra do Tempo que você pode conferir aqui.
Em breve, notícias sobre a ocupação do Instituto Federal Fluminense - Câmpus Campos-Centro.
E uma postagem sobre MUDANÇA!
Até lá, galera maravilhosa.
PS: Precisamos urgentemente de um nome para o fandom! (Não dá pra ficar chamando vocês de galera). Se você já leu A Guerra do Tempo me mande sugestões!

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

RESENHA: Luana, a Filha da Lua

E chegou a hora da grande abertura do blog, que não poderia ser diferente. Uma resenha especial sobre um livro especial: Luana, a Filha da Lua. Se você ainda não conhece, guarde esse nome, porque você ainda vai ouvir falar muito sobre essa tal Luana. Mas antes de dar início à resenha, meu breve histórico com essa mocinha.
Conheci Luana aqui na minha cidade, quando entrei no estande da Trade Books durante a Bienal. Foi minha oportunidade de conhecer não só Luana, como seu autor, e todos os outros autores da Trade com suas respectivas obras. O negócio é que Luana, além de estar em um dos meus gêneros favoritos, ainda não tinha sido lançada, o que proporcionava tamanha curiosidade. Quem é essa Luana, afinal?
Aí, fiquei na espera, torcendo com o #vemluana. O lançamento seria em Brasília, o que foi um motivo a mais para eu querer estar nessa Bienal Brasil para conferir de perto. E valeu à pena! Os brasilienses tiveram muitos privilégios com esse lançamento. Só quem tava lá conseguiu conferir o trailer completo, animado pelo próprio autor, já que o que estava rolando nas redes sociais era apenas um teaser (pra você ver como a Luana tá com moral).
Luana chegou atrasada, na quarta-feira, mas valeu muito à pena esperar por ela. E eu nem estava ansiosa, nem fiquei lendo depois de chegar em casa morta pelo dia de trabalho exaustivo na feira, nem passei a viagem inteira de avião de volta pra casa lendo... Enfim, do que estamos falando mesmo? Foco!
Eu terminei o livro ontem, por volta das 17:30. Queria gravar a resenha hoje, mas estou sem local para gravar, porque você deve imaginar a bagunça da pessoa que ficou 12 dias fora de casa e chegou com as malas pra tudo ficar pior. E eu pensei: o que farei? Sim, Luaninha, esse blog é por sua causa! E tenho fé de que esta ideia se tornará algo muito produtivo.
Agora, sem mais delongas, é hora de começar a resenha.


Livro: Luana - A Filha da Lua
Autores: Ronaldo Santana e Flaviana Rangel
Editora: RJR Produções
Lançamento: 26 de outubro de 2016
Gênero: Realismo Fantástico / Literatura infanto-juvenil

Sinopse:
Luana é uma menina de 12 anos que teria tudo para ser como as outras, não fossem seus estranhos cabelos prateados, cuja origem é um verdadeiro mistério.
Um enigma que Luana terá que desvendar, pois sua vida corre perigo quando uma feiticeira aparece para matá-la e inconscientemente um poder descomunal proveniente de seus cabelos a salva.
Agora, ela precisa descobrir sua origem para entender esses poderes, antes que a feiticeira Irina os roube dela, usando-os para o mal.

Os autores, Ronaldo Santana e Flaviana Rangel

SOBRE A OBRA

Este é o primeiro dos 4 volumes de Luana, e também é a primeira obra literária, tanto de Ronaldo como de Flaviana. E devo dizer que essa foi uma estreia mais que fantástica. E falando em fantástico, é a primeira vez que ouço o termo Realismo Fantástico, embora já tenha lido muito esse gênero, que trata da inserção de elementos fantásticos no mundo real. Ou seja, Luana é uma menina perfeitamente normal que, aos 12 anos, faz as mesmas coisas que qualquer outra menina carioca de classe alta e da mesma idade faria: ela frequenta a escola e passeia no shopping com as amigas, além de outras atividades. No entanto, ela tem cabelos prateados, que sempre chamam a atenção. Muitos pensam que se tratam de efeitos de salão, mas são naturais, e ela não sabe o motivo, não só porque nasceu assim, mas também porque foi adotada ainda bebê.
No começo do ano letivo, a parte fantástica do mundo de Luana começa a aparecer para ela aos poucos, e como tudo é novidade, ela fica inicialmente perdida, porém cada vez mais imersa nos detalhes mágicos que a cercam. O primeiro elemento deste mundo oculto se revela como uma loja no shopping que Luana sempre frequentou, mas nunca tinha visto antes. Depois dessa visita, ela sofre um ataque no caminho para casa. A partir desse momento, começa a ficar cada vez mais claro que Luana corre perigo, e ao mesmo tempo, que existe uma realidade oculta com a qual a menina está envolvida. Como as ameaças que cercam Luana têm relação com essa realidade oculta, ela nota que as respostas de que tanto precisa estão nesse mundo do qual ela também faz parte. Por isso mesmo, Luana passa a se envolver cada vez mais, na tentativa de entender quem ela é de fato.


ELEMENTOS NOTÁVEIS

Certamente, uma das coisas que mais me chamou a atenção foi a linguagem. É incrível como Ronaldo e Flaviana souberam retratar a vida dos pré-adolescentes de forma natural, empregando a norma coloquial da língua aliada aos assuntos que percorrem os corredores escolares, aqueles que são tão banais para os adultos, mas extramamente importantes para estes personagens. Também é maravilhoso notar as particularidades de cada um deles, que são únicos e insubstituíveis.
Assim como a parte real desse livro é muito bem explorada, a parte mágica traz elementos incríveis que, por mais fantásticos que possam ser, deixam a sensação de que vamos trombar com uma bruxa na próxima esquina. Os autores trazem a mistura da wicca com a mitologia indígena, explorando os dois lados com rituais e deuses que me deixaram encantada. Aliás, acho que é disso que a literatura está precisando, então admiro muito essa iniciativa.


ESTRUTURA E EDIÇÃO

São 33 maravilhosos capítulos nesse livro de 221 páginas. Os capítulos são curtinhos, o que promove uma leitura dinâmica e prazerosa. Cada capítulo é marcado por um belo céu com estrelas e, claro, a Lua mostrando em que fase se encontra durante o capítulo. Desta forma, percebe-se que a história se desenvolve durante um ciclo lunar. Ou seja, que estrutura maravilhosa!
Se você olhar o livro de cima, percebe o tamanho de cada capítulo, através das linhas cinzas que se formam nas páginas de entrada de capítulos. O maior capítulo, o 13, fica bem no meio e é meu favorito, por ser onde a Luana mais explora o mundo oculto.
A diagramação ficou realmente muito boa. Cada página apresenta, no topo, a linda sequência de 12 luas que (creio eu) é um dos símbolos da série. A arte de capa da Jessica Oyhenart ficou ainda mais linda com a fonte prateada como os cabelos da Luana. E essa lombada? Um pedacinho de Luana para ser admirado na sua estante. Ah, claro, não posso deixar de falar da parte interna da capa, que contém o primeiro esboço da Jessica. Ficou tudo maravilhoso, em cada detalhe.


CONCLUSÃO

Luana - A Filha da Lua realmente não me decepcionou. Ao contrário, superou as minhas - altas - expectativas. Eu amei cada detalhe desse livro que consegue ser, ao mesmo tempo, tão realista e tão fantástico. A escrita, os personagens, a edição, a história, a magia, o mistério, tudo nesse livro me fez ser completamente apaixonada por ele. Cada capítulo termina aguçando a curiosidade do leitor, muitos mistérios ficam no ar, e tudo isso contribui para que eu esteja extremamente ansiosa para o próximo Halloween (que droga, o Halloween foi ontem!).
Ronaldo e Flaviana, eu só posso parabenizar vocês pelo maravilhoso trabalho e agradecer por terem nos presenteado com essa incrível história. Ontem já recebi várias encomendas do livro na faculdade. Espero conhecer você em breve, Flaviana!
E pra você, leitor, apenas sugiro que adquira esse livro o mais rápido possível, porque a Filha da Lua está te esperando!