segunda-feira, 25 de setembro de 2017

ANÁLISE: Love Yourself 承

Hoje nosso papo é sobre o mais novo amor das ARMYS: O primeiro álbum da série Love Yourself, intitulado Her. Segundo Rap Monster, a série Love Yourself será composta por quatro partes, o que combina com a divisão do curta que fizeram para a divulgação dessa série. 承 é o desenvolvimento, o que me deixa um pouco confusa... Mas vamos lá.

INTRO: Serendipity
Preciso comentar que vi a notificação de Serendipity quando sentei para almoçar na praça de alimentação da Bienal Rio. Eu estava trabalhando todos os dias e todos os horários, então decidi arriscar. Gastei meu 3G para ver o vídeo, e só ver mesmo, porque o barulho era tanto que eu não consegui ouvir a música direito.
Quando eu assisti, fiquei chocada, porque a vibe do MV é completamente diferente de tudo o que eu já vi de BTS. Park Jimin pareceu ainda mais bonito. Tudo no MV e na letra carregam uma sutileza indescritível. O branco e o amarelo, combinados com os elementos claros e simples (embora impactantes) trouxeram toda a delicadeza encontrada na voz de Jimin. Rap Monster e Jimin...

DNA
Pela primeira vez, nosso amado BTS investiu em uma “música de baladinha”, ou seja, em EDM Conforme acentuou Rap Monster, o EDM é o gênero mais famoso no mundo e é algo novo no K-Pop. Justificada a escolha, né? No auge depois de ganhar o prêmio da Billboard, essa não é a hora de arriscar.
Preciso dizer que não gosto muito de EDM (provavelmente porque não frequento balada), mas essa tá outro nível. O EDM sempre traz aquela coisa repetitiva e sem sal que parece que nunca vai acabar. Na minha opinião, o acerto do Bangtan está em colocar o estilo do EDM em uma estrutura que estão acostumados a usar. DNA traz emoção e impacto de qualquer boa música de EDM, aliando o clássico “assobio viciante” à energia do BTS presente no ritmo e na coreografia, que ousaria apontar como a mais difícil do grupo até agora (prova da evolução constante). J-Hope fechou a música com chave de ouro, trazendo o lalala que é marca registrada deles.
Agora, sobre o MV. É a primeira vez que vejo o BTS fazendo algo tão K-Pop. Soa estranho, mas eles são extremamente originais. Todo o cenário maluco é a cara da Coreia do Sul, e é algo que estava faltando. Eles podem sobreviver sem isso, obviamente, mas o que quero dizer é que repetir conceito não faz o estilo do BTS, e como eles não fizeram nada assim ainda, eu diria que já estava mais que na hora. O mesmo vale para o gênero da música, como eu já disse.
Jungkook de destaque não é nenhuma novidade, mas o V sim, o que me agradou muito. Pela primeira vez, ele tem a primeira linha em uma música título e, até onde eu sei, esse fenômeno só aconteceu antes em Let Me Know (se não me falha a memória). Não bastasse a primeira linha, que aliás caiu perfeitamente no timbre do Tae, o foco na dança também mostra que a empresa reconheceu sua evolução. V já pode ser tido como o quarto membro da dance line, não é? Afinal, todos sabem que os membros são divididos em três linhas de dança: A dance line, que são os profissionais (Jungkook, J-Hope e Jimin), o apoio, que são os que dançam muito bem (V e Suga) e as asas, que estão sempre atrás ou nas pontas (Rap Monster e Jin). As asas da dança também estão evoluindo, e isso é de se notar, mas a Big Hit ainda não os ressaltou como merecem. Mesmo assim, a combinação Jungkook e V foi excelente para este MV.
Por fim, as teorias e a letra. No geral, este MV não traz nenhuma novidade à teoria, é um tipo de consolidação. Repete-se o tempo todo que “não é uma coincidência”, ou seja, todas as coisas que as teoristas conseguiram ligar realmente não estavam ali à toa. O MV se passa em um cenário irreal, o que torna impossível associar cenas à teoria, mas é repleto de simbologias que envolvem os reinos do dia e da noite. O Bora Cantar K-Pop vai trazer também uma cena específica do MV onde temos parte da história sendo simbolicamente representada. #aguardem A letra, novamente de acordo com nosso líder, é sobre o sentimento de “começo de relacionamento”, onde tem aquele casal grudento que fica achando que foram feitos um para o outro, etc... Mas também é uma mensagem sobre a integração da sociedade. Claro, porque Bangtan sem mensagem social não é Bangtan.

Best Of Me
Essa está longe de ser a melhor música do álbum para mim (provavelmente pelo que eu já disse sobre não curtir muito EDM). É uma música bem baladinha mesmo, mas eu gostei deles terem feito a parceria com os Chainsmokers. Essa é uma ideia que me agrada. A letra também não é ruim, mas eu meio que esperava mais do BTS. Bom, Best of Me não foi feita para ser o destaque do álbum, então eu não vou me prender muito aqui.

Illegal
Vou chamar de Pojogae siiiiiim. Eu sempre prefiro os nomes coreanos, porque geralmente são mais fáceis. Aqui não tem tanta diferença, mas eu gosto do original.
Nossa música dedicada aos vocais está com uma vibe bem semelhante a Lost, o que era de se esperar, mas acho que ainda é um pouquinho melhor. Nada contra Lost, mas não é exatamente a melhor música do mundo. Eu tenho alguma coisa contra as músicas só de vocais, porque... Pensa comigo. Se a música é só de vocal, ela é tão deprê que não dá pra ter rap nem de levinho, a exemplo de Spring Day. Tá, mas Pojogae é boazinha sim, principalmente com essa letra que é uma gracinha. EU ENTENDI ESSA, TÁ JIN? Tá com inveja das covinhas do amorzito, não pode!

Pied Piper
Quando fui ver a tradução e encontrei a flauta, a primeira coisa que me ocorreu (apesar de não ser Exo-L) foi o Luhan e sua famosa flauta. Felizmente, minha irmã me disse que a relação é com o Flautista de Hamelin. Achei encantador, porque tenho mais uma intertextualidade para abordar nos meus trabalhos científicos sobre BTS... MAS NÃO GOSTEI DE SER CHAMADA DE RATO, MENINOS. Brincadeira. A gente entendeu.
Essa é uma música claramente cheia de ironia, não é? Ou é ironia ou é pura contradição, porque sabemos muito bem a opinião do nosso Bangtan sobre a escola. Vi muitas ARMYs falando que se identificaram com essa letra. Tenho muitas fotos de vocês na parede sim, e vai continuar tendo, obrigada.

Skit: Billboard Music Awards Speech
Tem o que falar dessa faixa? Num teeeeeem.
Melhor dia. Tinha que estar. E você percebe que nosso líder já estava no esquema naquela época, né... Desde sempre o “Love Yourself” me chamou atenção no discurso do Rap Monster. Nada nessa vida é por acaso, né...
Cara, sem ofensa à parte anterior do álbum mas... Depois dessa skit o negócio só melhora.

MIC Drop
Quem precisa de Cypher quando existe um lacre desses, hein? MIC Drop me chamou a atenção desde o início, por causa da energia. Afinal, você ouve um álbum tão limpo e sutil em todas as faixas, e do nada vem uma guitarrinha e uma batida forte. É realmente impressionante esse efeito. Eu gosto muito dos Cyphers, mas é ainda melhor poder contar com os vocais na hora de mandar o recado para os haters. A performance foi incrível, conforme eles prometeram. É uma das minhas músicas favoritas, com certeza.

Go Go
Tá, nesse caso eu prefiro o nome abreviado. Gominboda Go é um nome grande demais, então vamos relevar. Enfim, estamos falando agora da música mais viciante do álbum. Eu achava que o assovio de DNA era viciante, mas YOLO YOLO YOLO YO é mais, com certeza. Todo mundo viciou nisso, e eu também. É uma música excelente, que deu linhas ao Jin no refrão. A performance é simplesmente maravilhosa. Tudo nessa música é o máximo, até mesmo a letra que é pura ironia. Vamos refletir com esse grude.

Outro: Her
Nossa outro é nostalgia pura. A vibe é dos álbuns mais antigos, e é aquela música para relaxar, coisa que você nunca espera de uma música só de rappers. Aliás, nem sei se me arriscaria a dizer isso, porque o refrão com os rappers cantando está excelente. As letras são perfeitas para cada membro. O Rap Monster descobrindo ser um livro, o Suga duas-caras e o J-Hope que brilha mais que o sol.

Sea
Quando ouvi, obviamente, achei a maior chatice do universo, e soube na hora que a letra ia me destruir. Porque é sempre assim. Pois é, pessoal... Essa letra é profunda como o mar, e mais uma vez eles nos lembram de como foi difícil eles chegarem ali. Eu vou precisar dissecar essa letra para captar tudo o que essa metáfora com mar, deserto e mundo realmente quer dizer. Outra coisa a se notar é que a parte dos vocais tem o movimento do mar, das ondas indo para a areia e voltando. É a primeira vez que vejo nitidamente uma música ter FORMA. Como aqueles poemas imagem. É uma letra profunda, triste e chocante. Para darmos mais força aos nossos meninos.

Skit: Hesitation and Fear.
É horrível pensar que BTS pode acabar um dia. BTS vai acabar um dia, e isto é um fato, mas as ARMYs têm papel essencial na durabilidade do grupo. Acho que essa é uma das razões dessa skit. Vendo a quantidade de ARMYs hoje, é difícil imaginar que o grupo vá acabar por falta de sucesso. Cada passo é um risco, porque um álbum que não agrade as fãs pode ser fatal nesse sentido. Mas gosto de pensar que as verdadeiras fãs vão sempre apoiá-los. Nos resta esperar que outros fatores não atrapalhem, como a questão do exército, que me dá muito medo. Bom, eu acho que eles só têm a crescer, e vamos lutar por isso.


GERAL
Na Live de lançamento, os sete deixaram bem claro que este é um álbum eclético.